• Roberto Kirizawa

Obsolescência programada

Tempo de leitura: 7 minutos


Você já ouviu algo sobre obsolescência programada? Sabe porquê este termo surgiu e como afeta nossas vidas?

O que é obsolescência programada

Obsolescência programada ocorre quando um fabricante, propositadamente, torna um produto obsoleto ou não funcional em um determinado período de tempo, que é menor do que ele poderia continuar em funcionamento, atendendo às necessidades do cliente.

As primeiras iniciativas de fabricantes que levaram a instituição da obsolescência programa de forma global no mercado ocorreram na década de 1920. Até então, as empresas criavam seus produtos para que durassem o máximo possível. Acho que por isso que temos a ideia de que produtos antigos eram mais robustos e aguentam mais o tranco. Inclusive, sei de pessoas que possuem sítios e chácaras, que só confiam em andar com um fusca dentro de suas propriedades, devido aos caminhos de terra e lama que se encontram por toda a propriedade. Mas o fato é que após a crise de 1929, somando-se à explosão de consumo da década de 1950, ocorreu uma mudança na mentalidade referente a fabricação de produtos.

Como começou a instituição da obsolescência programada

Foi nessa época (em torno de 1920), que o presidente da General Motors, Alfred P. Sloan iniciou a mudança anual de modelos e acessórios dos veículos. Ele fez essa mudança com o intuito de induzir os consumidores a trocarem seus veículos com maior frequência. Nessa mesma época, fabricantes de lâmpadas da Europa e Estados Unidos reduziram a durabilidades delas de 2.500 horas para 1.000 horas. Fazendo assim, com que o consumo aumentasse praticamente em 3 vezes, de uma hora para outra. E desde então, os fabricantes têm encontrado diversas maneiras para conseguir fazer com que a obsolescência programada estivesse presente nos mais variados mercados e segmentos.

Como as empresas criam a obsolescência programada

São diversas as formas utilizadas pelas empresas para conseguir criar a obsolescência programada em seu produtos. De forma geral, no mercado de roupas, eletrônicos, eletrodomésticos e carros vemos muita coisa parecida. Uma das formas mais usadas é criar novos designs e tendências. O engraçado é que esta forma de tornar os produtos obsoletos tem mais a ver com a parte psicológica do consumidor. É por isso que as grifes de roupas, criam uma nova tendência a cada estação. Para que aquela roupa comprada no verão passado não tenha mais apelo para ser usada no verão seguinte. E haja a necessidade de comprar novas roupas para se manter dentro da tendência estipulada pelas grifes.

O que os diversos setores costumam fazer

A mesma coisa acontece no segmento automobilístico. No fim deste ano de 2020 serão lançados os modelos de 2021. Mas o grande detalhe, que eu particularmente acho super maluco, é que as montadoras lançam um carro no ano de 2020 falando que é modelo 2021 para desvalorizar o anterior e aquecer o mercado antes de virar o ano. Se você pensar bem, não faz sentido. Se o carro está sendo vendido em 2020, ele deveria ser modelo 2020.

O segmento de eletrodomésticos não consegue fazer com que seus consumidores troquem seus produtos com tanta frequência. Porém, é nítido como eles também se esforçam para que isso aconteça. E se eles gastam para criar novos design de produtos, com novos materiais de acabamento é porque isso dá retorno, certo?

E casos como estes demonstram como as fabricantes agem, de forma totalmente explícita, para fazer com que as pessoas sintam a necessidade de comprar os novos modelos que estão por vir.

O segmento de eletrônicos é um dos que mais se beneficia da obsolescência programada

Um outro segmento que utiliza a obsolescência programada para alavancar o consumo de seus produtos é o de eletrônicos. Este segmento se aproveita de que a tecnologia evolui de forma exponencial e assim vai implementando, em doses homeopáticas, a cada novo modelo, algum pequeno avanço. É como o caso dos smartphones. Em um ano é disponibilizado mais espaço de memória. Em outro, o design muda e fica mais fino. Depois inserem mais uma câmera. E outra no ano consequente. E assim vai-se estimulando o consumo a cada novo modelo.

Nos computadores vemos as empresas de softwares cada vez mais estimulando a necessidade de melhorias no hardware e o inverso também é verdade. Dessa forma, cria-se um círculo vicioso em que sempre há a necessidade de se fazer upgrades e equipamentos para se conseguir trabalhar com os novos softwares.

Os problemas que a obsolescência programada causa

Tudo isso acarreta diversos problemas. Dentre eles, os mais notáveis são: destruição do meio ambiente e consumo excessivo das pessoas. Eu cresci vendo que tudo isso era normal. E não fosse esse estalo de me tornar minimalista e parar para repensar tudo que está ao meu redor, não iria conseguir enxergar todo o circo que foi armado para me entreter e não perceber o que realmente está acontecendo. Nossas crianças crescem achando que é normal trocar de celular todos os anos. Que é normal uma roupa ser usada apenas por uma estação. Mas isso não está certo. Não estamos consumindo a matéria prima que retiramos da natureza de forma correta e consciente.

Não digo que temos que deixar de ter conforto. Mas temos que fazer escolhas melhores. Isso ajudará tanto o meio ambiente como nossas finanças.

Será que em 1 ano a tecnologia avança tanto a ponto de ser necessário ter um novo produto no mercado? Será que realmente precisamos comprar o novo modelo por ter uma ou duas características a mais que o anterior?

O que podemos fazer

Então, o que podemos fazer para consumir de forma mais consciente? Podemos:

  1. Optar por comprar produtos que notoriamente possuem um tempo de vida útil maior; Todos sabemos que existem determinados modelos de carros, de computadores, smartphones e eletrodomésticos que dão menos problema.

  2. Optar por produtos que possuem qualidade superior, e portanto, poderá ser utilizado por mais tempo; Que tal comprar uma roupa um pouco mais cara, mas que vai durar muito mais tempo que a barata?

  3. Podemos reaproveitar; Se você quer mudar a geladeira apenas para ter o modelo retrô que foi lançado recentemente, por que não encapar-la com uma cor retrô e então conseguir fazer a composição na sua cozinha do jeito que você queria?

  4. Escolher roupas tradicionais; Roupas tradicionais nunca saem de moda. Você poderá utiliza-las em qualquer lugar e em qualquer momento. Além de serem super fácil de se combinar com outras peças de roupas.

  5. Venda ou doe. O que não é mais útil para você, pode ser útil para outra pessoa. Considere vender ou doar produtos que estejam em bom estado e que não esteja usando mais.

Se você parou para refletir e pensar em mudar alguns de seus hábitos de consumo, eu o meio ambiente agradecemos.

 

Programa Quando Menos é Mais

Caso você tenha interesse de obter todos estes benefícios, utilizando os conceitos do minimalismo em conjunto com técnicas cientificamente comprovadas, clique no botão abaixo e saiba mais sobre o Programa Quando Menos é Mais.


Programa Quando Menos é Mais

 

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.


#obsolescenciaprogramada

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tempo de leitura: 4 minutos No livro Do Mil ao Milhão, escrito por Thiago Nigro podemos identificar qual é o seu pensamento estratégico para conseguirmos alcançar 1 milhão de reais, na prática. Sim, e

Tempo de leitura: 12 minutos Ao longo da vida a gente vai acumulando hábitos de consumo que não são os melhores, pensando financeiramente, e jogam nosso dinheiro no lixo. Porém, como o próprio nome di