• Roberto Kirizawa

A SUTIL ARTE DE LIGAR O FODA-SE | MARK MANSON

Tempo de leitura: 7 minutos

O autor Mark Manson, já pelo título do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, consegue demonstrar que é um livro de auto-ajuda bem diferente dos outros livros convencionais.

Ao contrário de todos os outros livros costumam falar que você é uma pessoa especial, em seu livro ele comenta que você é uma pessoa normal.

Que não tem nada de mais.

Ele mostra que nós tendemos a ver apenas o que está fora da curva.

As redes sociais

Nas redes sociais só vemos pessoas extraordinárias.

E dentro dessas bolhas que vão se formando, isso vai se retroalimentando.

Só que pessoas extraordinárias são o mínimo da população mundial.

Portanto, este foco está totalmente errado.

No livro ele fala de uma forma descontraída, como se fosse um amigo sentado ao seu lado, olhando para você e falando:

Você não é especial. Mas está tudo bem…

Então, mais adiante no livro ele demonstra formas de entender esta realidade e como você deve encarar tudo isso.

Por que devemos ler livros

Quando adotamos um estilo minimalista de se viver, nós tendemos a repensar a nossa vida, nossa realidade, a fazer reflexões.

E com tudo isso passamos a querer mudar muita coisa.

Só que para mudar, temos que começar a abrir nossos horizontes para entender novas formas de enxergar o mundo.

E por isso eu recomendo muito ler livros.

Ler livro é a possibilidade de se começar a ver a realidade por outros olhos – com os olhos do autor.

Muitas vezes ele vai passar o conhecimento que ele obteve passando por dificuldades, ao longo de anos de vida de estudo e reflexões.

E desta forma você vai obter todo este conhecimento de uma forma mais rápida.

Por isso é importante ler, saber interpretar e o que pode ajudar na sua realidade.

Para então poder introduzir este conhecimento na sua bagagem.

Assim, na hora de fazer sua reflexões e querer alçar novos vôos, estilos de vida e ajustar coisas da sua rotina, fica mais fácil.

Clube do Livro

Antes de mais nada, deixa eu passar para você que eu criei a página Clube do Livro para facilitar sua vida.

Lá eu coloquei todos os livros que eu li e criei algum conteúdo que tem a ver com o tema do livro.

A Sutil Arte de Ligar o Foda-se

Um dos temas que o autor aborda no livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se é que você tem vulnerabilidades.

E isso é normal.

Mesmo as pessoas extraordinárias possuem defeitos.

Então você tem que saber quais são seus pontos fortes, quais são seus pontos fracos, e aproveitar deles.

Os pontos forte você tem que usar ao seu favor, pra seguir rumo aos seus objetivos.

Enquanto, quando se entende os pontos fracos, deve-se aprender a conviver com eles.

Dependendo do ponto fraco, você precisará ajustá-los ou corrigi-los.

Escolha as suas batalhas

Um outro ponto bastante legal que o autor comenta no livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se é que você tem que escolher as suas batalhas.

Biotipo

É importante porque, imagina que você tem um determinado biotipo.

E mesmo querendo ser um jogador de basquete, um jogador de vôlei, ou mesmo um atleta olímpico de natação, dependendo do biotipo que você tem este é um sonho que nunca vai se realizar.

Então pra quê passar por esta frustração?

Seja mais coerente e escolha algo que esteja dentro das possibilidades das suas características.

Gostos

Outra coisa que você tem que entender são seus gostos.

Você gosta de música? De interação social?

Tudo isso fará você interpretar qual é o melhor objetivo a traçar para si.

Aptidões

Não esqueça de pensar também em suas aptidões.

Por exemplo, se você tem facilidade com raciocínio lógico, você terá mais facilidade com as ciências exatas.

Você poderá trabalhar com:

  1. Contabilidade;

  2. Programação;

  3. Até mesmo engenharia.

Agora, se você é uma pessoa mais criativa, poderá trabalhar com:

  1. Arquitetura;

  2. Webdesign;

  3. E marketing.

Pense no caminho

E nessa escolha das batalhas é importante você entender que o processo é mais importante.

Que o caminho é mais importante que a chegada.

Por exemplo, você quer ser o chefe do seu setor.

Só que para ser o chefe do seu setor, será necessário trilhar um caminho.

Nesse caminho você terá que:

  1. Trabalhar de 12 a 14 horas diárias;

  2. Não vai ter tempo para o lazer;

  3. Não terá tempo para a família;

  4. E muitas vezes nem para dormir direito.

Basicamente terá que viver para a empresa.

Reflita que é isso que você quer

É isso que você quer?

Por este caminho que está disposto a passar?

Porque para chegar neste objetivo, muitas pessoas tiveram que passar por isso.

E você não será diferente.

Justamente nesta hora que cai a ficha de muitas pessoas.

Acabam percebendo que não estão dispostas a este sacrifício para alcançar o objetivo traçado.

Nunca estamos certos

Outro tema que o autor abordou no livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se é que nunca estamos certos.

Temos que entender que quando sabemos algo de algum assunto, sempre haverá muito mais conhecimento desconhecido sobre ele.

Desta forma, quando aprendemos mais um pouco, quer dizer que estamos menos errados.

Apenas isso.

O bom deste tipo de pensamento é que nos faz sempre estar abertos a novas ideias, a novas formas de se pensar sobre algo.

E manter este tipo de humildade é ótimo para poder evoluir.

Inclusive este foi o tipo de pensamento que se fez vir morar no Japão.

Eu quiz me expor a novas forma de pensar, a uma nova cultura e a um novo modo de viver.

Programa Quando Menos é Mais

E tudo isso eu incluí lá no Programa Quando Menos é Mais.

Fiz questão de inserir aulas que dessem a bagagem para entender como fazer para se expor a novas ideias e forma de pensar.

Pois desta forma será mais fácil conseguir se auto-avaliar e compreender o que te faz feliz e quais são as coisas que gosta de fazer.

Com isso poderá obter novas aptidões que poderão ser utilizadas como novas fontes de renda, substituindo o trabalho atual, caso não este contente com ele.

Não se fecha

Pelo contrário, quando achamos que já temos o conhecimento suficiente sobre determinado assunto, tendemos a nos fechar.

Não aceitamos opiniões alheias e achamos que somos donos da verdade.

Essa é a melhor forma de entrar em uma zona de conforto e ficar estagnado.

Motivação

O autor também aborda o tema motivação no livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se.

Ele deixa claro que se temos um problema, não adianta apenas ficar olhando para ele.

Temos que botar a mão na massa.

Independente do que se vai fazer.

Sei que muitas vezes estamos perdido e não sabemos por onde começar.

Mas então deve-se pegar qualquer coisa e começar.

Este movimento gera a inércia necessária para seguir criando novas possibilidades para conseguir chegar na solução do problema.

Você não é especial

No livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, o autor deixa bem claro que você deve entender que não é especial.

Pois quando se acha especial, passa a achar que é merecedora.

Quando coisas boas acontecem, acha que aconteceram por que merecia.

Mas quando coisas ruins acontecem, começa a procurar o culpado.

E acha que são os invejosos que estão boicotando de alguma forma.

A felicidade reside na resolução de problemas

Quando o autor explica no livro que a felicidade está em resolver problemas é a hora que se cai a ficha.

Não dá para ficar apenas feliz quando alcançamos um objetivo.

Se for assim seremos muito mais tempo tristes que felizes.

Então, quando passamos a compreender que sempre haverá problemas na vida e que isso é normal, poderemos mudar nossa mentalidade.

Portanto, é nessa hora que passamos a compreender o quanto este tipo de pensamento é importante para ter uma vida mais leve, com significado.

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.

#asutilartedeligarofodase #resenha

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tempo de leitura: 5 minutos Hoje vamos conversar sobre o livro A Arte de Viver que foi escrito por Sharon Lebell, baseado no primeiro e mais admirável manual do Ocidente em como viver melhor, criado p

Tempo de leitura: 10 minutos Existem muitas coisas da vida dele que eu desconhecia e só passei a tomar ciência após ler o livro sobre sua biografia, escrita do Walter Isaacson. Não dá para negar que e