• Roberto Kirizawa

A ARTE DE VIVER

Tempo de leitura: 5 minutos

Hoje vamos conversar sobre o livro A Arte de Viver que foi escrito por Sharon Lebell, baseado no primeiro e mais admirável manual do Ocidente em como viver melhor, criado pelo filósofo Epiteto.

Achei interessante falar deste livro para você, pois eu acredito que o ponto mais importante para quem adota um estilo de vida minimalista é conseguir ter uma vida mais leve, com significado.

Hoje só temos aceso a este conhecimento devido a um dos seus alunos: Flávio Arriano, que transcreveu, na época, meticulosamente um número considerável de palestras de seu mestre para um amigo.

Essas palestras conhecidas como os Discursos foram reunidas em 8 livros, sendo que apenas 4 foram conservados até os dias atuais.

Quem foi Epiteto

Epiteto nasceu como escravo, no ano de 55 d.C, no império romano.

E apesar disso, conseguiu mostrar seu valor, estudar em Roma, tornando-se um dos alunos mais aclamados e então ser libertado da escravidão.

Só por este feito já poderíamos dizer que ele era uma pessoa fora da curva.

Mas como sabemos, pessoas com histórias tão motivadoras como a dele sempre vão além.

Ele tornou-se filósofo e professor.

E era bem diferente dos seus outros colegas filósofos.

Fazia questão de falar sem ares de superioridade sobre suas ideias para se viver bem.

Considerava-se bem sucedido quando suas ideias eram entendidas e postas em prática, podendo enobrecer o caráter que uma pessoa.

E por isso, não fazia questão de escrever livros.

Preferia dialogar e palestrar para as pessoas a fim de poder ter a certeza de que a mensagem passada estava sendo devidamente compreendida.

A filosofia na visão de Epiteto

Epiteto entendia que a filosofia era uma ferramenta capaz de ajudar as pessoas na Arte de Viver.

Que poderia auxiliar as pessoas a enfrentar de forma positiva os desafios do cotidiano.

Principalmente as inevitáveis perdas, decepções e mágoas da vida.

A arte de viver prega a liberdade pessoal.

E trabalhando a serenidade, demonstra que virtude e felicidade estão estreitamente relacionadas.

A busca pela Arte de Viver

É interessante que em determinado momento da história, quando muitos estavam a procura da Arte de Viver melhor, as pessoas voltaram-se para o Oriente, em busca de trabalhar seu lado espiritual.

Porém o Ocidente já tinha um tesouro que ainda não tinha sido devidamente divulgado.

Para Epiteto uma vida feliz e uma vida virtuosa são sinônimos.

Sua receita para uma boa vida concentrava-se em três temas principais:

  1. Dominar os desejos;

  2. Desempenhar as obrigações;

  3. E aprender a pensar com clareza a respeito de si mesmo e de seu relacionamento com o restante da comunidade humana.

A grande sabedoria de Epiteto

Se eu pudesse resumir seus ensinamentos em uma frase seria:

Saiba aceitar as coisas que não tem controle e agir sobre as que tem.

Desta forma ele discorria de que nada adianta querer controlar coisas que não estão sob seu controle.

Como o pensamento e forma de agir de outras pessoas, a família, e até o próprio corpo que temos.

As circunstâncias não ocorrem para atender às nossas expectativas.

Os fatos acontecem como têm que acontecer.

As pessoas comportam-se de acordo com o que são.

Porém o que nos torna mais forte é nossa forma de pensar.

A escolha é nossa

Podemos escolher como encaramos as diversas ocorrências em nossas vidas.

O que realmente nos assusta e desanima não são os acontecimentos externos em si.

Mas a maneira como os entendemos.

Podemos ganhar o controle de nossas emoções e sentimentos encarando a vida de forma mais leve.

Assim, se alguém lhe disser que determinada pessoa criticou você, não se dê ao trabalho de apresentar desculpas ou justificativas.

Sorria apenas e diga:

Acho que essa pessoa não conhece todos os meus outros defeitos. Ou não teria mencionado somente esses.

Assuma a responsabilidade de sua vida

É a forma como entendemos as coisas que acontecem em nossas vidas o que realmente nos atormenta, e não efetivamente os acontecimentos em si.

Logo, culpar os outros é tolice.

Quando sofremos com coisas que não queríamos que acontecesse, de nada adianta culpar os outros.

Na verdade, temos que repensar nossas atitudes.

As pessoas mesquinhas geralmente atribuem aos outros a culpa de seus próprios sofrimentos.

Sendo que deveriam atribuir a si mesmas.

A pessoa sábia entende que não passa de tolice atribuir a culpa de algo a alguém ou a alguma coisa.

Seja quem for, os outros ou nós mesmos.

Um dos sinais que indicam a evolução é a extinção gradual da culpa.

Crie seu próprio mérito

Nunca devemos depender da admiração do outro.

O mérito pessoal não pode derivar de uma fonte externa.

Não é importante o que os outros pensam de nós.

Todos temos um papel a desempenhar e um trabalho a cumprir.

A ideia é sempre fazer o melhor possível, não se preocupar com quem está observando.

E á justamente este tipo de ideia e conteúdo que eu passo no Programa Quando Menos é Mais.

Nós temos que tomar as rédeas de nossas vidas e não depender de outras pessoas para ser feliz.

O minimalismo na filosofia de Epiteto

Algo que achei bem interessante é como a filosofia de Epiteto pode ser tão atual, mesmo ele tendo vivido a cerca de 2 mil anos atrás.

Inclusive até de minimalismo ele já falava naquela época:

O progresso espiritual exige que ressaltemos o que é essencial. E deixemos de lado todas as outras coisas como ocupações banais; que não merecem a nossa atenção.

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.

#aartedeviver #autoconhecimento #autodesenvolvimento #desenvolvimentopessoal

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tempo de leitura: 4 minutos Hoje vamos conversar sobre como muda de vida e conseguir conquistar seus objetivos. Muitas pessoas querem mudar de vida, mas não sabem como começar. Nem mesmo o que tem que

Tempo de leitura: 7 minutos O autor Mark Manson, já pelo título do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, consegue demonstrar que é um livro de auto-ajuda bem diferente dos outros livros convencionais