• Roberto Kirizawa

12 Coisas que passei a fazer pensando no meio ambiente (e também em economizar dinheiro)

Tempo de leitura: 8 minutos


Quem disse que não dá para unir o útil ao agradável? Hoje vou te apresentar 12 coisas que passe a fazer para ajudar o meio ambiente e ainda de lambuja conseguir fazer uma economia extra. Sem mais delongas, vamos lá.

Refis

A primeira coisa que passei a fazer é comprar refis de diversos produtos. Assim, não compro uma nova embalagem toda vez que for comprar um produto. Não sei se você sabe, mas estou passando uma temporada morando no Japão, e por aqui é muito fácil encontrar refis para diversos produtos. Como shampoo, condicionador, sabonete líquido, sabão líquido para lavar roupas, amaciante, sais de banho, temperos de cozinha, e até cargas de canetas! Com isso eu evito de gerar mais lixo, e ainda compro os produtos com um valor mais em conta, pois não tem o custo da embalagem.

Pilhas recarregáveis

A segunda coisa é que passei a usar pilhas recarregáveis. Por aqui, pilhas normais são muito baratas e isso acaba que fazendo a gente comprá-las sem pensar muito, para não ter que ter o trabalho de ficar recarregando elas sempre que usar.Mas pensando em não ficar gerando este tipo de lixo que é tão tóxico para o meio ambiente, passei a utilizar pilhas recarregáveis.

Solidificador de óleo

A terceira coisa é que passei a utilizar solidificador de óleo. Este é um produto que nunca tinha visto no Brasil. Se você conhece se ele é comercializado no Brasil, por favor, deixe nos comentários que pode ajudar outras pessoas que estão assistindo este vídeo. Ele é bem legal.Antes de descartar o óleo, é necessário aquecê-lo e misturar com o pó solidificador. Quando esfriar o óleo fica sólido. Fica tipo a textura do sabão em barra. Então eu jogo este óleo sólido no lixo incinerável, daqui do Japão. Dessa forma não se corre o risco do óleo contaminar a água. Isso é muito importante. Até onde eu sei, no Brasil existe a forma certa de descarte do óleo também. Procure verificar qual é a norma da prefeitura da sua região.

Energia elétrica

A quarta coisa é a economia de energia elétrica. Todas as lâmpadas que utilizo em casa são de LED, que além de gastar muito menos energia elétrica, ainda tem uma vida útil bem acima do que as lâmpadas incandescentes e fluorescentes.Inclusive as lâmpadas dos meus equipamentos de gravação (sofbox) também são de LED. Os eletrodomésticos de casa são de baixo consumo de energia, que é como se tivesse aquele selo do Inmetro, no Brasil, de eficiência energética. Outra coisa importante a se falar é que aqui no Japão é comum ter geladeira pequena. Para você ter uma ideia, as geladeiras no Brasil em média tem 300 litros de capacidade. Aqui no Japão, a média é 150 litros. Metade da capacidade.Consequentemente, metade do gasto energético. Mas isso também tem muito a ver com a cultura daqui onde os apartamentos são bem pequenos. Mais uma coisa que passei a fazer para economizar energia foi de usar um timer na tomada para ligar e desligar determinados equipamentos. Eu uso muito para controlar o aquecedor no inverno. Com este apetrecho eu consigo determinar a hora em que o equipamento irá ligar e desligar. Desta forma o aquecedor desliga após um tempo, depois de dormir e ligar um pouco antes do horário de acordar.

Celular

A quinta coisa é não trocar de celular todos os anos. Antigamente, antes de me tonar minimalista, confesso que gostava de trocar de celular todos os anos. Mas agora, percebo que a troca não é necessária. Mesmo morando em um país onde trocar de celular é bem mais fácil que no Brasil, não vejo a necessidade de fazer isso. Para você ter ideia, meu smartphone é o iPhone 8 Plus, modelo de 4 anos atrás e ainda me atende perfeitamente. Dessa forma, consumo menos componentes eletrônicos e consequentemente gero menos lixo para poluir o meio ambiente.

Andar a pé

A sexta coisa é que passei a andar mais a pé. Isto é uma coisa que já fazia no Brasil. Atualmente moro a aproximadamente 2 Km do trabalho e faço questão de ir e voltar a pé todos os dias. Além consumir menos combustível, gerando menos poluição, já faço um exercício pensando em minha saúde.

Ecobags

A sétima coisa é algo que eu já fazia e continuo fazendo. Sempre utilizei ecobags para fazer minhas compras semanais. Esse costume eu já tinha desde de quando morava no Brasil. Por aqui, no Japão, começou-se a cobrar pelas sacolas plásticas fornecidas pelos estabelecimentos comerciais, em julho do ano passado (2020). Então este meu hábito além de ajudar o meio ambiente gerando menos poluição, passou também a me gerar economia financeira.

Garrafa para água

A oitava coisa é ter minha própria garrafa para carregar água. Utilizo esta garrafa nos meus passeios de fins de semana ou viagens que faço. Optei pela versão de 1 litro que me dá uma ótima autonomia. Ela é BPA free, ou seja, não libera substâncias tóxicas em temperaturas mais altas. Ela se acomoda muito bem na parte destinada para carregar garrafas das mochilas em geral. Desta forma não fico comprando constantemente água em garrafa plástica descartável, evitando assim a geração de poluição do meio ambiente. Ah… e claro, acaba me gerando esta economia.

Reutilização de embalagens

A nona coisa tem muito a ver com minha esposa. Ela sempre reutilizou embalagens e objetos em geral para outras finalidades das quais não foram concebidas inicialmente. E isso me fez entrar na mesma “vibe”. Em casa ela utiliza embalagens em geral como organizadores de gavetas, armários, produtos de limpeza e outras coisas mais. Achei muito interessante quando ela utilizou uma toalha de mesa toda rendada como uma manta que fica em cima das cobertas dando um charme especial. Eu também passei a reaproveitar muita coisa.Uma embalagem que possui o tamanho de canetas passou a ser utilizada como estojo. Outra que eu ganhei bombons no dia dos namorados virou um porta trecos em cima da minha mesa. Fora aquelas lindas latinhas de biscoitos que a gente usa como decoração.

Roupas de qualidade

A décima coisa é comprar apenas roupas de qualidade e com cortes tradicionais e atemporais. Dessa forma, além da roupa durar mais tempo, não tem o problema de ela só poder ser utilizada durante o período em que ela está na moda. É preferível comprar uma camiseta, mesmo com um preço um pouco mais caro, mas que tenha um tecido um pouco melhor, que não vai esticar e nem desbotar. Assim, você não vai perder a roupa tão rapidamente e gerar mais lixo para ser descartado com tanta frequência. E mesmo pagando um pouco mais, você vai notar que no final das contas, pelo tempo que dura a roupa de melhor qualidade, você acabou economizando.

Vinagre de maçã

A décima primeira coisa é algo que minha esposa aprendeu pesquisando pela internet. Ela passou a utilizar vinagre de maçã no lugar do amaciante. Além de cumprir o papel de amaciante, ainda age como bactericida e fungicida. E detalhe, não deixa aquele cheiro forte característico do vinagre. E ainda ela descobriu outras utilizadas para o vinagre, dentro de casa. Na louça do banheiro como privada e pia, o vinagre retira o encardido. Na cozinha, ele serve como desengordurante. E finalmente misturando álcool, vinagre e água, ela usa no lugar do Veja Multiuso.

Roupas antigas viram pijamas

E a décima segunda coisa é que aproveitamos roupas mais antigas para virar pijama ou roupa de casa. Sabe aquele moletom super macio que você adora, mas que não está mais apresentável para estar saindo com ele? Pois é. Quando isso acontece passamos a usar como pijama ou roupa de casa. Até porque o que a gente mais quer é poder ficar à vontade e sentir-se aconchegado na segurança do nosso lar, certo.

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.


#dinheiro #economia #meioambiente

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo