• Roberto Kirizawa

10 HÁBITOS DE CONSUMO QUE JOGAM SEU DINHEIRO NO LIXO

Tempo de leitura: 12 minutos



Ao longo da vida a gente vai acumulando hábitos de consumo que não são os melhores, pensando financeiramente, e jogam nosso dinheiro no lixo.

Porém, como o próprio nome diz, eles se tornam hábitos devido ao prazer, muitas vezes imediato, que nos geram.

Só que este prazer imediato acontece às custas de nosso tão suado dinheiro.

E quando eu falo de hábitos que são acumulados ao longo da vida, não quer dizer que você que está na casa dos vinte anos já não tenha caído nesta armadilha.

Todos nós caímos, de forma geral.

Independente da idade, nível escolar e grau de intelecto.

1- Baladas

Já vou começar com o dedo na ferida. Rsrs

A maioria das pessoas adoram sair com os amigos para tomar alguma coisa, se socializar e muitas vezes paquerar.

Não vejo nada de mal nisso.

O grande problema é a quantidade de vezes que isso é feito durante o mês.

Sem contar que tudo que você for consumir dentro desta atividade custa o olho da cara.

Afinal de contas, os proprietários dos estabelecimentos não estão cobrando apenas o custo das bebidas e dos alimentos ali servidos.

O custo do ambiente, todo projetado para gerar um ambiente mais aconchegante e descontraído, também conta.

Fora o pagamento de todo o pessoal para atendimento ao público, fora do horário comercial.

Portanto, este é a primeira coisa que você deve repensar para que seu dinheiro não suma da carteira antes de acabar o mês.

2- Passeios para lazer

É super legal você tirar um tempo na semana para seu lazer.

Até porque é importante descansar o corpo e a mente.

Se a gente não der esta quebra no ritmo entre uma semana e outra de trabalho, podemos ficar estafados.

E é normal com isso ter a produtividade reduzida.

Fora o possível estado de burnout que você pode entrar.

Mas, o grande detalhe aqui, é que o tipo de passeio mais comum para muitas pessoas é dar uma volta no shopping.

O shopping é legal.

Tem ambiente seguro, climatizado, atividades para diversão como o cinema e muitas lojas com vitrines lindas.

Aí que se encontram as iscas e armadilhas deste tipo de passeio.

Um passeio desse tipo, num típico fim de semana de um casal, pode custar caro.

Logo ao chegar já tem o curso do estacionamento.

Depois disso, tem o almoço com direito a sobremesa e cafezinho.

Então é hora de pegar um cineminha.

Cinema sem o combo de pipoca e refrigerante não tem graça, certo?

Nessa brincadeira já morre 1 dia de trabalho suado fácil.

E depois, chega a hora de passear um pouquinho e ver as vitrines.

É normal encontrar algo ou alguma roupa legal que está em promoção, né.

Não dá para deixar passar esta oportunidade.

Chega o fim do passeio e você já nem quer pensar na quantia de dinheiro que desembolsou apenas para ter um momento de lazer em um dia no fim de semana.

E olha que temos 8 dias de fim de semana por mês!

Atualmente estou passando uma temporada no Japão.

Uma coisa que acho fascinante por aqui é que apesar das pessoas terem um poder aquisitivo bom, elas optam por passeios baratos nos fins de semana.

Geralmente é ir fazer uma trilha, um piquenique, ir à praia, passear em locais turísticos como visitar templos antigos, faróis na costa com vista maravilhosa para o mar e acampar.

Nenhuma destas atividades possuem gastos altos.

Na maior parte delas o japonês leva o seu “bentô”, que seria sua cesta de piquenique.

Acho que podemos aprender muito com o estilo de vida que eles levam.

3- Preocupação com roupas

Acredito que a preocupação com roupas aflige principalmente as mulheres.

Sinceramente eu não entendo muito esta preocupação.

Eu, particularmente, não vejo problema algum, uma pessoa ter diversas roupas iguais e usá-las no seu dia a dia.

Mas, por outro lado, eu sei que existe este tipo de observação por parte principalmente das mulheres em ficar notando este tipo de coisa.

Acho que esse tipo de preocupação, de não poder repetir a roupa, e ter roupas para cada tipo de ocasião, acaba nos escravizando.

Gasta nossa energia e nosso dinheiro em algo que no fim das contas não vai afetar tanto assim nossas vidas.

Portanto, que tal ser menos refém deste tipo de pensamento e pensar em ter um armário cápsula?

Assim, terá menos:

  1. Peças de roupas;

  2. Preocupações;

  3. Estresse na hora de escolher o que vestir;

  4. Gasto de dinheiro.

4- Compras no supermercado

A pior coisa que você pode fazer, no sentido de economizar dinheiro e se manter em uma dieta saudável, é ir ao supermercado com fome e sem uma lista de compras.

Sem uma lista de compras você fica muito mais influenciável pelas estratégias que os supermercados utilizam em expor seus produtos.

Fora que acaba ficando tentado a comprar coisa que nem precisa, pelo simples fato de estarem em promoção.

Simplesmente por não ter uma lista de compras, parece que tudo que vemos é passível de ser comprado.

Afinal, você está livre para comprar o que bem entender.

Não existe nada que esteja te guiando para que faça uma compra apenas de determinadas coisas, que realmente precisa.

Porém, mais difícil ainda é quando se vai ao supermercado com fome.

Aí não tem santo que ajude.

Quando isso acontece é certeza de fazer uma compra totalmente fora do que você realmente precisa.

Você vai comprar salgadinhos, biscoitos, doces e outras guloseimas que normalmente não compraria.

Ir com fome ao supermercado é certeza de comprar coisa que não precisa e de má qualidade nutricional.

Fora que irá gastar muito mais dinheiro do que deveria.

5- Emprestar dinheiro

Quem nunca emprestou dinheiro, seja para um amigo ou um familiar, e depois teve problemas para receber, que atire a primeira pedra.

Isso mesmo.

Essa é uma coisa que apesar da maioria das pessoas saberem que estão se metendo em um fria, acaba fazendo.

E o pior, muitas vezes, faz mais de 1, 2, 3 vezes e assim por diante.

Não faz sentido você que poupou dinheiro não comprando:

  1. Um novo celular;

  2. Não viajando este ano;

  3. Deixando de comprar aquela roupa que achou muito cara;

Emprestar o seu dinheiro para outra pessoa que não fez nada disso.

Se for uma situação em que você, do fundo do seu coração quer ajudar a pessoa, e tem dinheiro para isso, empreste pensando que deu este dinheiro.

Se a pessoa devolver é lucro.

Mas não conte com isso.

Assim, você evitará desgostos e uma possível perda de amizade ou proximidade com um familiar.

6- Não pesquisar antes de comprar

Eu já trabalhei em comércio por 10 anos.

Uma coisa que sempre achei interessante é que pessoas que tinham dinheiro costumavam pechinchar em todas as compras que faziam.

Dava para ver que era praticamente um hobby para elas.

Acho que elas gostavam mais de negociar do que realizar a compra propriamente dito.

Mas o inverso acontecia com pessoas que não tinham dinheiro sobrando.

Elas costumavam comprar sem negociar nada.

Simplesmente compravam e parcelavam na maior quantia de vezes que era possível.

Isso me deixava intrigado.

Se formos levar em conta a realidade de cada um, o normal seria a pessoa com menos dinheiro pechinchar.

E não o contrário.

Acredito que isso tenha a ver com o lado psicológico.

A pessoa que não tem dinheiro não quer ficar demonstrando isso.

Porém, com este hábito de consumo, suas chances de conseguir começar a poupar dinheiro diminui drasticamente.

7- Ir comer quando já está com fome

Esse é o tipo de hábito de consumo que todo mundo acaba caindo.

Fim de semana, dia de folga, é normal acordar mais tarde e aproveitar mais tempo na cama.

Afinal de contas, durante a semana o normal é saltar da cama, correndo por estar atrasado.

Só que aí já é quase hora de almoçar e deixamos para comer no almoço mesmo, fazendo o famoso brunch.

Para quem não sabe brunch é a junção de breakfast e lunch (café da manhã e almoço).

Então resolvemos sair para comer.

Chegamos no local escolhido com a fome do tamanho de leão, como costumam dizer.

No restaurante por quilo começamos a pegar tudo que aparece pela frente.

O enorme prato, que é assim para poder comportar bastante comida, começa até a pender da mão de tão pesado que fica.

Ainda mais que junta com a fraqueza que estamos passando por estar passando tanto tempo sem comer nada.

Comemos com a velocidade que deixaria o “The Flash” no chinelo.

Porém, quando chegamos no meio do prato começamos a perceber que exageramos na comida.

Olhamos na comanda e o peso do prato, juntamente com o valor não negam esta informação.

Mas nós não desperdiçamos comida, pois é pecado, certo?

Então continuamos empurrando comida goela abaixo.

Depois de comer tudo e já sentindo uma mistura de azia com queimação, pegamos um sorvete para fechar com chave de ouro.

Acho que pela história por si só, já deu pra perceber que este não é um bom hábito de consumo, certo?

8- Querer tudo na hora

No livro O Poder do Hábito existe uma passagem que comenta sobre uma pesquisa muito interessante.

É conhecida como a pesquisa do marshmallow.

Talvez você conheça.

Foram colocadas diversas crianças diante de 1 marshmallow.

Então foi dito que se elas não comessem o doce até que o pesquisador voltasse à sala, elas receberiam 2 marshmallow, como prêmio.

A conclusão, realizada após alguns anos, foi de que as crianças que conseguiram adiar o prazer momentâneo em troca de um prazer futuro maior obtiveram mais sucesso em suas vidas.

Ou seja, é notório que pessoas que conseguem ter auto controle para abrir mão de algo que pode dar um certo prazer hoje, conseguem pensar mais no sucesso a longo prazo.

E desta forma você tem que entender que apesar de querer:

  1. O novo modelo de celular;

  2. O novo modelo de carro;

  3. Ou até mesmo aquela roupa que está na moda;

Se conseguir adiar a compra até pelo menos juntar o dinheiro ao invés de parcelar e pagar juros, já ajuda muito em poupar o seu dinheiro.

Querer comprar algo que não tinha sido programado e pagar parcelado é um péssimo hábito de consumo.

9- Deixar o dinheiro parado na conta ou em casa

Se você tem um dinheiro que não pretende usar tão cedo, deve usá-lo para trabalhar para você.

Ou seja, deve colocá-lo em algum lugar de possa render mais dinheiro a seu favor.

Para isso você pode se cadastrar em uma corretora de valores e solicitar auxílio de um analista financeiro.

Em alguns casos, o próprio gerente do seu banco pode te dar uma luz.

O fato é que se você deixar seu dinheiro parado é como fazer o pão sem fermento.

Além de não crescer, você ainda perderá os ingredientes que faziam parte da receita.

10- Jogar fora comida

É normal se fazer comida e sobrar.

O problema é o que se faz com a comida que sobrou.

Com a inflação do jeito que está, cada hora é uma coisa que está o olho da cara.

Uma hora é o tomate.

Outra hora é a batata.

A carne então, nem se fale.

Por isso, desperdiçar comida, jogando no lixo, como dizem: é pecado.

Mas não é por isso que você tem que comer até passar mal.

Isso não fará bem para sua saúde.

Pense em formas de reaproveitar a comida que sobrou.

Eu não vejo mal nenhum requentar a comida do almoço para comer na janta.

Ou requentar a comida da janta para comer no almoço do dia seguinte.

Só tem que tomar o cuidado de armazenar corretamente na geladeira.

Pense que a comida que sobrou hoje pode ser o virado de amanhã.

Sobra de arroz pode ser usado para fazer risoto, arroz frito com ovo, etc.

Se você pesquisar na internet encontrará inúmeras possibilidades.

Agora me fala.

Você faz algum ou alguns destes hábitos de consumo?

Já tinha percebido isso ou não?

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.


#dinheiro #dinheironolixo #finanças #hábitosdeconsumo

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tempo de leitura: 4 minutos No livro Do Mil ao Milhão, escrito por Thiago Nigro podemos identificar qual é o seu pensamento estratégico para conseguirmos alcançar 1 milhão de reais, na prática. Sim, e

Tempo de leitura: 11 minutos Acho que você já pensou na possibilidade de viver de renda passiva, né. Mas o que é viver de renda pra você? O senso mais comum, que muita gente acabou pegando emprestado