• Roberto Kirizawa

10 Coisas que Eu Gostaria de Saber Antes de me Tornar Minimalista

Tempo de leitura: 13 minutos


Existem certas coisas que se eu soubesse no começo do processo de quando me tornei minimalista iria facilitar muito a minha vida. E é por isso que quero compartilhá-las com você. Às vezes a gente começa a transformação em nossa vida para atingir um estilo de vida melhor, e nem sabe bem o porquê. Não sabe o que está nos impulsionando para isso. Vai agindo e fazendo as coisas conforme vão dando na telha. O grande problema é que em casos como este, muitas vezes a gente pára diante de um obstáculo e não sabe mais o que deve fazer, e acaba desistindo de trilhar o caminho que iniciou. Para você que pensa em desfrutar dos benefícios de ter um estilo de vida minimalista, vou elencar aqui 10 coisas que eu gostaria que tivessem me passado antes de começar minha jornada nesta incrível transformação da minha vida.

1- Entender que para ser minimalista não é necessário viver de forma precária.

Temos a tendência de achar que para ter o estilo de vida minimalista é necessário viver como um monge que abriu mão de todas as posses e não pode ter conforto algum. É comum também associarmos a ideia de estilo de vida minimalista ao que vemos em diversas redes sociais de pessoas vivendo apenas com o que tem dentro de uma mochila ou uma van viajando pelo mundo. Com certeza, estes são tipos de jeito de se viver de forma minimalista, porém não é apenas desta forma que é possível ser minimalista. Apesar de ter alguns conceitos básicos em comum, existem inúmeras possibilidades de se aplicar e se ajustar o estilo de vida minimalista para ser compatível com a forma de viver de qualquer pessoa. Qualquer um pode optar por ter os benefícios de ser minimalista, independente do valor da renda mensal, da faixa etária, da profissão, do sexo, da onde vive, ou qualquer outra coisa. Basta entender e querer obter os possíveis benefícios que uma vida minimalista oferece, como:

  1. Ter uma relação saudável com os gastos;

  2. Adquirir coisas de forma consciente;

  3. Melhorar a saúde financeira;

  4. Manter apenas o que é essencial na vida, deixando de lado o que não interessa;

  5. Passar a ter mais tempo para dedicar ao lazer e hobbies;

  6. Melhorar a saúde física e mental;

  7. Ter uma vida mais leve e com significado.

2- Refletir e chegar ao motivo principal que te leva a querer esta transformação em sua vida.

É necessário saber a razão de estar realizando isso. Não adianta querer passar a ter um estilo de vida minimalista apenas para seguir a moda que viu nas redes sociais. Se você não entender realmente o que está te incomodando e o quê você quer mudar em sua vida ninguém mais poderá fazer isso no seu lugar. Nessa hora não adianta se enganar e criar um motivo que seja politicamente correto para ser um motivo que seja bonito de se falar para as outras pessoas. Pode ser porque não quer mais passar dificuldades financeiras ou porque não aguenta mais continuar com o estilo de vida supérflua que está levando, tanto faz. Encontrar o real motivo pode machucar, mas é por esse motivo que te fará seguir adiante e ter forças para conquistar a transformação que deseja.

3- A mudança pode ser feito de forma gradativa.

Quando a gente pensa em qualquer tipo de mudança, temos a tendência em achar que tem que acontecer de forma total e rápida. Mas isso é coisa da nossa cabeça. Se a gente for parar para pensar, toda mudança que passamos em nossa vida aconteceu de forma gradual. Aprender uma nova língua não acontece do dia para noite. Realizar a mudança de um hábito muito menos. Por que então mudar para um estilo de vida minimalista teria que ser diferente? Ainda mais que já se viveu inúmeros anos sendo consumista, não tendo cuidado com as finanças, com a saúde ou com o futuro. Por isso mesmo, temos que ter uma estratégia para realizar esta mudança no estilo de vida. Focando as coisas que mais incomodam, sentimos mais urgência em mudar, mas vamos dar um passo por vez. Muitos focam em começar a ser minimalista pelo lado financeiro. Outros para ter uma vida com mais significado. E por fim, tem os que querem ser mais produtivos. O fato é que podemos escolher uma área da vida para começar com as mudanças e aos poucos ir adicionando as outras. O legal é que conforme começamos a adquirir a consciência em como é ser minimalista, naturalmente as decisões e atitudes que passamos a tomar vão convergindo para ter este estilo de vida mais leve, focando no que é essencial.

4- O que funcionou para uma pessoa pode não funcionar para mim.

Nós somos indivíduos, portanto, temos nossas individualidades. Isso quer dizer que podemos pensar, agir e entender o mundo de forma diferente das outras pessoas. Por isso, não adiantar pensar que se fizer algo igual a outra pessoa irá ter exatamente o mesmo resultado. Existe uma boa probabilidade que possa obter um resultado semelhante, mas independente, não é motivo para desanimar. Entendendo isso, podemos ajustar certas coisas na jornada para o estilo minimalista a fim de que ela não se torne um pesadelo. Por exemplo, existem pessoas que param um fim de semana inteiro para organizar todo o quarto. Desentulha e organiza o guarda roupa, criado mudo, e tudo mais que estiver neste ambiente. Fazem isso sem se estressar e com prazer. Existem outras pessoas que não conseguem ficar tanto tempo focando apenas esta atividade por todo um fim de semana. E não tem nenhum problema nisso. Estas pessoas podem optar por dividir o quarto em diversos quadrantes e ir fazendo por parte. Fazendo uma pequena parte do dia, no fim de 1 mês terá seu quarto todo organizado. Pode ter demorado mais tempo, mas o importante é entender que se deve respeitar o perfil de cada um. Fazendo no seu ritmo e sem estresse, o resultado sempre será melhor.

5- Curta o caminho.

A felicidade não está na chegada, mas sim no caminho. O processo de mudança para o estilo de vida minimalista deve ser uma coisa prazerosa. A mudança de hábito deve acontecer aos poucos e com consistência. A arrumação do guarda roupas, da mesa de trabalho, dos cômodos da casa e outros lugares em geral devem acontecer no ritmo em que a gente se sente confortável em estar fazendo. Quando a gente acha que iremos ser felizes apenas quando conquistarmos algo, passaremos a maior parte do tempo estressados, ansiosos e tristes esperando apenas conquistar o objetivo. Esquecemos de comemorar as pequenas conquistas que acontecem no meio do caminho. Por isso é muito legal dividir o processo de mudança para o estilo de vida minimalista em várias etapas e cada etapa em várias tarefas. Sou super a favor de, no processo de organização da casa, dividir os ambientes em quadrantes para ir fazendo cada um por 15 minutos diários. Isso ajudará a auto-estima e terá a sensação de que está caminhando todo dia um pouquinho mais em direção ao objetivo. Dessa forma, podemos fazer com tudo. No processo de mudar o hábito de fazer atividades físicas, de como lidar com o dinheiro, de como se alimentar de forma mais saudável e outras coisas mais. Sempre um passo por vez.

6- Tome cuidado em continuar fazendo a mesma coisa.

Louco daquele que fazendo as mesmas coisas, espera resultados diferentes. Quando estamos mudando nosso estilo de vida para nos tornarmos minimalistas temos que tomar o cuidado de não querer continuar com o mesmo tipo de pensamento e agir da mesma forma de sempre. A ideia é começarmos a mudar o exterior, gerando estímulos para que esta mudança também ocorra no interior, ou seja, começar a pensar de forma diferente, de forma a focar e manter apenas o essencial, deixando de lado o que não é interessante. Apesar de gerar o estímulo externo causado ao organizar nossa casa, não devemos apenas depender disso para alterar a forma de pensar. É interessante começar a estimular a reflexão de sempre estar notando se algo que você está trazendo para sua vida está alinhado com seu novo estilo de vida e objetivos que possui. Para isso é legal sempre se questionar QUANDO MENOS É MAIS? Quando ter menos de determinada coisa é melhor para minha organização física e mental? Quando ter menos trabalho, focando apenas apenas no que é essencial consigo ser mais produtivo? Dessa forma, a transição para se tornar numa pessoa minimalista acontece de forma mais consistente.

7- Como lidar com o seu parceiro.

Independente de ter ao seu lado um cônjuge, um namorado ou namorada, o melhor dos mundos seria que esta pessoa aceitasse entrar nessa jornada rumo ao estilo de vida minimalista com você. Mas é claro, não podemos forçar as pessoas a fazerem uma coisa apenas porque nós queremos. Se ela não estiver a fim de se tornar minimalista, não é por isso que o relacionamento tem que se abalar. Existe a possibilidade de você ser minimalista e seu parceiro ou parceira não ser, sem haver maiores problemas. Será necessário ambos respeitar as escolhas um do outro. É bem provável que ao notar sua transformação para melhor, como sendo uma pessoa mais organizada, não apenas quanto as coisas que possui, mas também quanto ao controle do seu tempo, passando a cuidar melhor das finanças, da saúde, do bem estar e passando a ter uma vida com mais significado, seu parceiro ou parceira ficará tentado ou tentada a começar a fazer o mesmo que você. A melhor forma de se influenciar uma pessoa é através do exemplo. Portanto, não adianta forçar, mas sim deixá-la escolher de acordo com sua própria vontade, respeitando sua opinião e dando o tempo e espaço que precisa para se adaptar ao novo cenário. Não tenho dúvida que vocês 2 se beneficiarão com as mudanças que acontecerão e que a probabilidade é altíssima de ambos passarem a adotar o minimalismo em suas vidas, nem que seja de forma gradual.

8- Para ser minimalista, não precisa seguir regras rígidas.

Se você adora sua coleção de livros, gosta de lê-los, folheá-los, sentir o cheiro deles, emprestá-los e depois discutir e trocar ideias sobre o conteúdo, fique com eles. Conforme o tempo for passando, é natural que sua forma de pensar irá mudar. Novas experiências em conjunto com novos conhecimentos farão com que você crie e entenda outras possibilidades que estão disponíveis. Quem sabe, talvez resolva digitalizar seus livros e liberar o espaço ocupado? Independente disso acontecer ou não, as decisões a serem tomadas só dependem de você. Não existe certo ou errado. Pense nos conceitos do minimalismo como sendo um guia ao invés de uma lista rígida a ser seguida a ferro e fogo. Mas entenda também que existem certos conceitos que não podem ser negligenciados. Caso isso ocorrer você terá maiores dificuldades para conseguir chegar a entender e obter os reais benefícios do minimalismo.

9- Ser minimalista não é apenas viver com pouco e economizar dinheiro.

O estilo de vida minimalista cria possibilidades de nos tornarmos uma pessoa muito mais produtiva, tendo em vista que começamos a entender o que é essencial para nós mesmos, deixando de lado o que apenas irá nos sobrecarregar. Com isso, passamos a ter mais tempo livre para cuidar de assuntos antes deixados para trás, mas que são essenciais para ter uma vida plena, como é o caso de começar a cuidar mais da saúde praticando exercícios físicos e esse círculo virtuoso dará continuidade levando consequentemente a uma melhor alimentação e assim por diante. Essa forma de pensar também extrapola para outras áreas como retomar sonhos adormecidos de aprender uma nova língua, viajar para conhecer uma nova cultura, começar aulas de algum instrumento musical, artesanato, foto, desenho, mergulho, natação ou qualquer outra coisa. Resumindo, o minimalismo pode ser a ferramenta utilizada para conquistar o estilo de vida que sempre desejamos, mas não sabíamos por qual caminho poderíamos percorrer para alcançá-lo.

10- Quando vamos desentulhar não temos que jogar tudo que não estamos usando no momento.

Eu mesmo, antes de me tornar minimalista, aproveitei uma promoção que estava acontecendo em uma loja que vendia roupas e calçados de qualidade, que eu gostava, e que estavam realizando uma liquidação de fechamento. Eles estavam fechando a loja e por isso estavam vendendo tudo com 50% de desconto, provavelmente o preço bem próximo do custo. Comprei 3 pares de tênis que eu adorei e uso até hoje. Isso aconteceu a cerca de 7 anos, no momento em que escrevo este artigo. Durante o processo em me tornar minimalista não desfiz dos pares de tênis que tinha comprado a mais que precisava naquele momento. Hoje eu já não compraria 3 pares de tênis novamente, mas nem por isso, depois de me tornar minimalista, desfiz deles. Continuei com eles e fui usando-os. Eu só descartaria alguns deles caso eu não estivesse usando ou não tivesse nenhuma pretensão de usá-los no futuro, que não é o caso. Portanto, continuo usando-os e no momento que eles chegarem no ponto de descarte, farei isso e não vou repor. Entenda que este mesmo tipo de pensamento pode ser feito com qualquer outra coisa que se tenha durante o processo de mudança para o estilo de vida minimalista.

 

Programa Quando Menos é Mais

Caso você tenha interesse de obter todos estes benefícios, utilizando os conceitos do minimalismo em conjunto com técnicas cientificamente comprovadas, clique no botão abaixo e saiba mais sobre o Programa Quando Menos é Mais.


Programa Quando Menos é Mais

 

Se você achou que este conteúdo teve valor para você e pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe-o como demonstração de carinho.

Muito obrigado e até a próxima.


#minimalismo #minimalista

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo